CONTRAMÃO DO SISTEMA: O Monopólio da muzga Gospil

Pesquisa de Temas

sexta-feira, 20 de junho de 2008

O Monopólio da muzga Gospil


              A música Evangélica durante muito tempo foi duramente criticada, taxada por ter uma péssima qualidade em todos os sentidos, hoje em dia já recebeu várias premiações importantes e internacionais, provando ter crescido e se qualificado.
Ela foi até apelidada de “Música Gospel”, as rádios evangélicas passaram a se chamar rádios gospel's, e se tornaram um mercado capitalista, mercenário sem compromisso nenhum com Deus ou com a música.
Muitas rádios, gravadoras e também muitos cantores e bandas gospel’s tornaram-se um círculo fechado, uma indústria gospel de grana, produzindo letras comerciais sem compromisso com a verdade.
É absurdo e vergonhoso o que acontece nos “bastidores da Música Evangélica”, contratos que só beneficiam as gravadoras, a forma como obrigam o artista a mudar de identidade musical na clara intenção de tornar sua música mais comercial, e se um artista tem uma letra ou uma visão diferente da comercial, é praticamente banido das rádios, das gravadoras e etc.
O preço que as produtoras, gravadoras junto a certos cantores e bandas etc. cobram é exorbitante, a desculpa é que há um grande aparato a ser “bancado” (O que até certo ponto é mesmo verdade!), mas há também um grande abuso nisso tudo.
Onde foi parar o compromisso com o reino de Deus?
A grana é o mais importante? O sucesso? O status?
Cadê aquela paixão que certos artistas gospel’s diziam ter quando ainda eram anônimos?
Ô Hipocrisia desgraçada! Reversão de valores imunda.
Não é errado cobrarem a fim de custearem suas despesas, e também há aqueles que vivem de música é justo que dela tirem seu sustento sim, mas abuso não!
Ou então tirem o nome de Deus de suas músicas e de suas carreiras.
As vezes é bem melhor ouvir um CD repetidas vezes, ou ainda as vezes é melhor ouvir uma rádio secular, do que sintonizar uma rádio gospel,!
Cadê João Alexandre?
Saas ?
Alvaro Tito ?
Daniel Gonçalves
Entre tantas outra feras?

Ah sei.. As rádios monopólitas não os querem porque falam a verdade em suas letras, e não aceitam fazer um som puramente comercial.

Sei que também tem gente boa nas rádios e gravadoras monopólitas, e que também não se vendem, eu os aplaudo sinceramente!
Fica aqui meu protesto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba aviso de postagens por e-Mail

Assuntos